Saiba quais são os erros ortográficos mais comuns e veja como evitar!

Sumário

Posts relacionados

Saiba quais são os erros ortográficos mais comuns e veja como evitar!

Saiba quais são os erros ortográficos mais comuns e veja como evitar!

Erros ortográficos são um desafio enfrentado por muitas pessoas ao redigir textos. Comunicar-se por escrito de maneira clara e precisa requer atenção aos detalhes e habilidades ortográficas adequadas. Infelizmente, é fácil cair em armadilhas que resultam em erros comuns que podem comprometer a qualidade do texto.

Nesse artigo, vamos explorar os erros ortográficos mais comuns que enfrentamos e fornecer dicas valiosas para ajudá-lo e evitá-los. Se você tem como objetivo aprimorar suas habilidades de escrita e garantir a correção ortográfica em seus textos, continue lendo e descubra como se destacar pela excelência na linguagem escrita.

O que são os erros ortográficos?

Os erros ortográficos são equívocos cometidos na forma como as palavras são escritas. Eles ocorrem quando não seguimos as regras e convenções estabelecidas para a grafia correta das palavras em uma determinada língua. Esses erros podem incluir trocas de letras, omissões, adições ou alterações inadequadas de letras, acentuação incorreta, uso inadequado de maiúsculas e minúsculas, entre outros.

O que são os erros ortográficos?
Fonte/Reprodução: original.

Erros ortográficos podem afetar a compreensão e a clareza da mensagem escrita, além de prejudicar a credibilidade e o profissionalismo do autor. É fundamental estar ciente dos erros mais comuns e buscar constantemente aprimorar as habilidades de escrita para evitar essas falhas e garantir uma comunicação eficaz.

Como identificar os erros ortográficos na produção?

Identificar os erros ortográficos na produção escrita pode exigir um olhar atento e uma revisão cuidadosa do texto. Aqui estão algumas estratégias que podem ajudar na identificação desses erros:

  • Leia o texto em voz alta: ler em voz alta pode ajudar a detectar os erros que passam despercebidos durante a escrita. Ao pronunciar as palavras, é mais fácil perceber se algo soa estranho ou se há alguma palavra mal escrita;
  • Utilize um corretor ortográfico: editores de textos ou softwares específicos podem destacar erros ortográficos enquanto você digita. Eles são excelentes ferramentas para identificar erros mais óbvios, mas é importante lembrar que nem sempre são capazes de detectar todos os equívocos;
  • Faça uma revisão minuciosa: reserve um tempo para revisar seu texto com atenção, procurando por possíveis erros. Dê uma atenção especial a palavras que possam ser problemáticas, como aquelas com grafia complexa, acentuação irregular ou exceções às regras comuns;
  • Consulte dicionários e manuais de estilo: em casos de dúvidas sobre a grafia correta de uma palavra, consulte um dicionário confiável ou um manual de estilo, que fornecerão as regras ortográficas adequadas; 
  • Peça a opinião de outra pessoa: ter um segundo par de olhos para revisar seu texto pode ser muito útil na identificação de erros ortográficos que você possa ter deixado passar. Peça a alguém de confiança que revise seu trabalho e forneça um feedback.

Lembre-se de que a prática contínua e a familiarização com as regras ortográficas são essenciais para aprimorar suas habilidades na identificação e correção de erros ortográficos, por isso é importante criar esses hábitos e se manter atualizado sobre as mudanças que acontecem nas formas de escrita. 

10 erros ortográficos comuns e como evita-los!

Para evitar erros na ortografia é importante conhecer os mais comuns, em muitos casos parece até desnecessário mencionar determinadas falhas na escrita, mas acredite, mesmo parecendo pequenos, muitos desses erros acompanham até escritores mais experientes, então vamos observar os mais gerais:

  1. Uso incorreto de “s” e “c”: um erro ortográfico comum é trocar o uso de “s” e “c”. Para evitar esse erro, lembre-se de que, em geral, “s” é usado antes das vogais “a”, “e”, “i”, “o” e “u”, enquanto “c” é usado antes das vogais “a”, “o” e “u” e antes das consoantes. Por exemplo: “casa” e “caso”;
  1. Uso incorreto de “j” e “g”: confundir o uso de “j” e “g” também é comum. A regra básica é usar “j” antes de “a”, “o” e “u”, e “g” antes de “e” e “i”. Por exemplo: “jogar” e “gelo”;
  1. Confusão entre “x” e “ch”: é fácil confundir “x” e “ch”. Lembre-se de que “x” é usado para palavras com som de “ks” ou “z”, enquanto “ch” é usado para o som de “tch”. Por exemplo: “exemplo” e “chocolate”;
  1. Uso incorreto do acento agudo: muitas pessoas cometem erros ao usar o acento agudo em palavras. Certifique-se de conhecer as regras de acentuação corretas, especialmente para palavras oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas;
  1. Uso inadequado de “ss” e “ç”: algumas palavras têm a letra “s” duplicada e outras têm “ç”. Preste atenção ao usar “ss” em palavras como “possível” e “sessão”, e “ç” em palavras como “maçã” e “açaí”;
  1. Uso de “mais” e “mas”: “mais” e “mas” são palavras com significados diferentes. “Mais” indica adição ou quantidade, enquanto “mas” é uma conjunção adversativa. Verifique cuidadosamente qual palavra se encaixa no contexto;
  1. Uso de “onde” e “aonde”: “onde” indica um lugar fixo, enquanto “aonde” aponta movimento em direção a algum lugar. Por exemplo: “Onde você está?” e “Aonde você vai?”
  1. Confusão entre “mal” e “mau”: “mal” é usado para indicar algo feito de forma inadequada, enquanto “mau” significa algo ruim ou de má qualidade. Por exemplo: “Ele se comportou mal” e “Ele é um mau exemplo”;
  1. Uso incorreto de “porque”, “por que”, “porquê” e “por quê”: essas variações de “por que” têm usos diferentes. “Porque” é utilizado para assinalar causa ou explicação, “por que” é usado em perguntas, “porquê” é usado como um substantivo e “por quê” é empregado no final de uma frase interrogativa;
  1. Uso de “meio” e “meia”: “meio” concorda com substantivos masculinos, enquanto “meia” concorda com substantivos femininos. Por exemplo: “meio litro” e “meia hora”;

Ao se conscientizar desses erros comuns, você pode evitá-los e aprimorar a qualidade de sua escrita. Lembre-se sempre de revisar seu texto e recorrer a recursos como dicionários e manuais de estilo para declarar qualquer dúvida ortográfica que possa surgir.

Falta de paralelismo na regência

A falta de paralelismo na regência verbal ocorre quando há uma incompatibilidade na estrutura sintática dos termos regidos por um verbo. Isso significa que os complementos ou objetos diretos ou indiretos não estão adequadamente alinhados em termos de número, pessoa ou tempo verbal.

Essa falta de harmonia pode resultar em frases confusas e comprometer a clareza da mensagem. Para evitar esse erro, é importante prestar atenção à regência verbal e garantir que os termos sejam consistentes em relação ao verbo. Ao manter o paralelismo na regência, você estará construindo frases mais coesas, facilitando a compreensão e transmitindo suas ideias de maneira clara e precisa.

Não separar com vírgulas termos explicativos

A prática de não separar com vírgulas termos explicativos é um erro de pontuação que ocorre quando não há o uso adequado desse sinal de pontuação para isolar esses termos na frase. Termos explicativos, também conhecidos como adjuntos adverbiais ou orações subordinadas adverbiais explicativas, são elementos que fornecem informações adicionais, mas não são essenciais para a compreensão do sentido principal da frase. 

Não separar com vírgulas termos explicativos
Fonte/Reprodução: original.

Eles são geralmente inseridos entre vírgulas para destacá-los e diferenciá-los do restante da frase. Ao não separar esses termos com vírgulas, a clareza e a fluidez da frase podem ser comprometidas, dificultando a compreensão adequada da mensagem. É importante dominar as regras de pontuação e utilizar corretamente as vírgulas para isolar os termos explicativos, garantindo uma escrita mais clara e coerente.

Usar a palavra onde sem que seja no sentido de lugar

O uso incorreto da palavra “onde” fora do sentido de lugar é um erro comum que prejudica a precisão e clareza da escrita. Normalmente, “onde” é usado para indicar um local físico específico. No entanto, quando utilizado inadequadamente, pode causar confusão e imprecisão na mensagem. 

Para evitar esse equívoco, é importante utilizar termos apropriados como “quando” para indicar um momento específico, “em que” para descrever uma circunstância ou condição, ou usar construções gramaticais mais adequadas ao contexto. Ao utilizar as palavras corretas e expressões apropriadas, você garante uma comunicação mais clara e precisa, evitando ambiguidades e mal-entendidos.

Colocação pronominal

A colocação pronominal diz respeito à posição correta dos pronomes em relação ao verbo. Próclise, mesóclise e ênclise são as formas básicas de colocação pronominal, determinadas pelo lugar onde o pronome é colocado em relação ao verbo. A escolha adequada depende de diversos fatores, como o tempo verbal, a presença de palavras negativas ou advérbios, e a ordem das palavras na frase.

Ao compreender e aplicar corretamente as regras de próclise, mesóclise e ênclise, evitamos deslizes gramaticais e garantimos uma escrita e fala mais eficazes. Por isso, é recomendado dedicar tempo ao estudo dessas regras, praticar exemplos e buscar aprimorar as habilidades de colocação pronominal. Ao fazê-lo, estaremos fortalecendo nossa competência linguística e transmitindo nossas ideias de maneira clara e coerente.

Iniciar um período novo com uma conjunção errada

Iniciar um período novo com uma conjunção errada é um erro comum que pode comprometer a fluidez e a coerência da escrita. As conjunções como “mas”, “e”, “ou”, “porque”, entre outras, são usadas para conectar ideias em uma frase ou entre frases.

No entanto, é importante lembrar que nem todas as conjunções são adequadas para iniciar um novo período. 

Ao utilizar uma conjunção inadequada para iniciar um período, pode-se gerar confusão ou falta de clareza na estrutura do texto. É importante utilizar conjunções adequadas, como “portanto”, “além disso”, “entretanto” e “assim”, para conectar ideias entre períodos diferentes e manter a coesão textual.

Falta de paralelismo na regência

Quando ocorre a falta de paralelismo na regência, ocorre um desalinhamento entre os complementos verbais regidos por um verbo. Isso ocorre quando os objetos diretos e indiretos não estão corretamente ajustados em termos de números, pessoa ou tempo verbal.

É necessário concordar em número (singular/plural), pessoa (primeira/segunda/terceira) e tempo verbal (presente/passado/futuro). Ao manter o paralelismo na regência, podemos construir frases mais claras e coerentes, facilitando a compreensão da mensagem. 

Crase antes de palavra masculina

A crase é uma manifestação linguística que acontece quando existe a junção da preposição “a” com o artigo definido feminino “a” (com acento grave) ou com a letra “a” no sentido de “à” (com acento agudo). A crase é usada para marcar a contração de preposição “a” com o artigo definido feminino quando há a fusão de duas vogais idênticas.

No entanto, é importante destacar que a crase não deve ser usada antes de termos masculinos. A crase é restrita a contextos em que há a junção do “a” preposição com o “a” artigo definido feminino. Antes de palavras masculinas, deve-se utilizar apenas a preposição “a” sem a ocorrência da crase.

Separar sujeito de predicado

A correta separação entre sujeito e predicado é essencial na estrutura das frases. O sujeito representa quem realiza ou sofre a ação, enquanto o predicado contém informações sobre essa ação ou estado do sujeito. É importante evitar a separação entre sujeito e predicado com pausas, com vírgulas, pois isso pode causar ambiguidade e modificar o sentido da frase.

O sujeito deve vir antes do predicado, sem interrupções, e as vírgulas são utilizadas apenas para outros elementos intercalados entre eles, como adjuntos adverbiais. Ao manter essa estrutura correta, garantimos uma comunicação clara e precisa na escrita.

Ambiguidade no uso do pronome

A ambiguidade no uso do pronome ocorre quando não fica claro a que termo ou referência o pronome se refere na frase. Isso pode levar a interpretações confusas ou duplas, dificultando a compreensão da mensagem transmitida.

Para evitar a ambiguidade, é importante utilizar os pronomes de forma clara e precisa, garantindo que eles se refiram de maneira inequívoca ao termo adequado na frase. É necessário estar atento à concordância gramatical e à clareza referencial, certificando-se de que o pronome esteja adequadamente conectado ao seu antecedente.  

Voz passiva analítica

A voz passiva analítica é uma construção verbal em que o sujeito sofre a ação do verbo. Utiliza-se o verbo “ser” acompanhado pelo particípio passado do verbo principal. Ao contrário da voz passiva sintética, que dispensa o verbo auxiliar “ser”, a voz passiva analítica destaca-se por enfatizar a ação sofrida pelo sujeito ou quando o agente é desconhecido. 

Caso o agente seja conhecido, pode-se introduzi-lo com a preposição “por”. Essa estrutura proporciona flexibilidade na construção das frases, permitindo a ênfase em diferentes elementos da ação. Compreender e aplicar corretamente a voz passiva analítica é essencial para uma escrita clara e eficaz.

Por que é importante identificar esses erros?

Identificar e corrigir erros na escrita é crucial por diversos motivos. Primeiramente, a clareza e a compreensão do texto são essenciais. Evitar erros ortográficos, de pontuação, de colocação pronominal e outros equívocos gramaticais contribui para uma transmissão precisa e sem ambiguidades da mensagem. Essa escrita correta facilita a leitura e permite que o conteúdo seja compreendido de maneira fluente.

Além disso, uma escrita correta reflete na credibilidade e profissionalismo. Ao evitar erros, demonstramos domínio da língua e habilidade comunicativa, transmitindo uma imagem confiável e competente. Isso é especialmente relevante em contextos acadêmicos e profissionais, onde a precisão e a atenção aos detalhes são valorizados. 

Como evitar?

Para evitar erros na escrita, é importante adotar algumas práticas e estratégias, como uma revisão cuidadosa por meio de uma leitura atenta para identificar possíveis erros de pontuação e gramaticais. Faça essa leitura em voz alta, assim você vai garantir que cada frase está fluente e coerente.

Hoje em dia é possível utilizar ferramentas de correção ortográfica e gramatical, muitas delas estão disponíveis na internet ou incluídas em editores de texto ou aplicativos específicos. Essas ferramentas podem te ajudar a identificar os erros comuns e sugerir alterações ou correções.

Conhecer e evitar erros na escrita é fundamental para uma comunicação clara, precisa e eficaz. Além disso, a escrita correta reflete profissionalismo, credibilidade e dedicação, impactando positivamente na imagem e reputação do escritor, veículo ou obra. Portanto, invista tempo no aperfeiçoamento contínuo, assim você estará garantindo que sua mensagem seja transmitida com confiança e precisão.